No início da década de 60, Estado de Rondônia mais precisamente O Município de Porto Velho, sofreu um surto de crescimento impressionante, motivado pelo aparecimento de pedras preciosas. Esse crescimento abriu nova rota de imigração ao longo da BR-364 atraindo para Porto Velho um grande número de pessoas de várias regiões do Brasil.

Nesse contexto, ocorreu também um aumento significativo de motoristas em trânsito pela BR-364, muito desses devotos de São Cristóvão, que não chegavam ou saiam de Porto Velho sem antes pedir proteção ao seu padroeiro. Assim, era preciso dirigir-se a Paróquia Nossa senhora das Graças, onde a imagem do Santo Padroeiro se encontrava desde 25/07/1950, daí foi realizada a 1ª procissão de São Cristóvão em Porto Velho.

Em 1965, o clamor dos motoristas e dos demais devotos do Santo Padroeiro cresceu vertiginosamente, nascendo o desejo de criar uma capela exclusiva em homenagem a São Cristóvão.

Por volta de 1966, o Pe. Bernardo Strik orientou a construção do templo que funcionaria como oratório festivo, comandado pelas irmãs salesianas que realizavam trabalhos com crianças da comunidade São Cristóvão. Também nessa época os membros da Legião de Maria realizaram trabalhos de levantamento de carências e espiritualidade das pessoas dessa região, quase que esquecida pelas autoridades municipais. Até mesmo tentativas de invasão da área destinada à capela ocorreram, criando inúmeros atritos a posse do terreno. Com muita perseverança, os entraves foram sanados e a comunidade foi fortalecendo sua presença eclesial e consolidando sua atuação junto aos moradores. Também nesse período, foi celebrada a 1ª Missa no terreno da futura capela São Cristóvão, como foi realizada no horário noturno, o local foi iluminado pelos faróis de máquinas e veículos e contou com a participação de inúmeras pessoas da redondeza.

Essa consolidação foi sentida pelo Bispo prelado de Porto Velho que no dia 1º de maio de 1976 elevou a Igreja São Cristóvão à categoria de Igreja Paroquial, no decreto de criação Dom João Batista Costa escreve: “Tendo em vista o bem das almas e a maior glória de Deus, após haver consultado o nosso conselho presbiteral, temos por bem e levar a Igreja São Cristóvão à condição de Igreja Paroquial“.

Na mesma data de criação da Igreja Paroquial São Cristóvão, foi nomeado o Pe. Emílio La Noce como 1º pároco da Igreja de São Cristóvão.

A antiga Igreja da Paróquia São Cristóvão era decorada com objetos representativos aos motoristas, carros e trânsito, buscando transmitir a mensagem evangélica com termos alusivos ao Padroeiro dos Motoristas. Assim, foram utilizadas placas de carro na decoração de paredes e incorporados alguns objetos para homenagear os motoristas e que compunham um cenário evangélico condizente com a realidade da época. Na antiga Igreja, o altar era feito sobre uma metade longitudinal de um trator de esteira. A mesa da Palavra ou Ambão tinha por base um pneu, que recebia em cima de uma barra a direção um volante de carro, que servia como apoio aos livros. A Grande Cruz simbolizava a epopeia dos caminhoneiros na BR-364, onde atoleiros e sacrifícios representavam a via dolorosa de Cristo. Na frente do sacrário era colocado o radiador de carro. Por toda a Igreja quadros com pinturas e frases que lembravam os mandamentos da Lei e da Igreja em linguagem de trânsito.

A Igreja antiga tinha modelo baseado nas orientações pré-Concilio Vaticano II, assim, era retangular e sem forma de comunidade. Foi a partir de 1990, que surgiu a ideia de reformar a antiga Igreja. Com o aumento do número de fiéis, e o próprio problema na infraestrutura do prédio, em setembro de 1998, portanto, foi decidida a sua interdição e as celebrações e demais atividades foram transferidas para quadra da igreja.

Foi durante a gestão do Pe. Ivo Hoffman que os preparativos para reforma começaram, ideia que foi abandonada devido ao lastimável estado das estruturas da Igreja. Diante das evidências, A decisão foi a demolição quase que total e construção de um novo templo, mais moderno e amplo e de acordo com o modelo arquitetônico defendido pelo Concílio Vaticano II, ou seja, com forma de assembleia circular.

As obras da Nova Igreja duraram três anos e três meses e contou com a participação e doação de toda a comunidade Paroquial, tendo como timoneiro o Pe. Antônio Fontenele de Melo, que aglutinou as forças de trabalho, possibilitando a realização do objetivo. Durante o período das obras da nova Igreja foi decisiva a organização da pastoral do dízimo, que deu consistência às dimensões cristãs da arrecadação. No entanto com envolvimento dos paroquianos, a realização de bingos, doações, e outros eventos contribuíram com a reconstrução do templo.

Superadas todas as dificuldades e entraves da construção no dia 15 de dezembro de 2001 a nova igreja foi inaugurada pela comunidade com a presença do Arcebispo de Porto Velho Dom Moacir Grechi, Pe. Antônio Fontenele de Melo, Pe. Antônio Hammes, Pe. Innocenzo Magano, Pe Pedrinho e outros padres.

A Nova Igreja São Cristóvão mantém recordações históricas evangélicas, como exemplo é onde fica o Santíssimo Sacramento, onde foi colocado o antigo altar feito de uma peça de trator de esteira e o sacrário com a frente de um radiador de carro.

Na fachada lateral externa foi mantida a imagem de São Cristóvão, moldada em cerâmica pelo artista italiano Tano Angélico e doada pela paróquia San George, da diocese de Caltagirone Itália.

No ano de 2002 a nova igreja recebeu um sofisticado sistema de refrigeração adquirido com o empenho de toda a comunidade.

Em 2003 a área externa foi dotada de jardins e bancos ampliando aconchego da nova igreja criando um espaço aprazível e acolhedor.

No ano 2004 teve início o projeto de construção da nova quadra da Paróquia São Cristóvão.

Em novembro de 2006 foi oficializada por Dom Moacyr a entrega da capela Bom Pastor no Hospital de Base vinculada Paróquia São Cristóvão que juntamente com comunidade de Sião finalizaram a obra. Neste mesmo ano também foi iniciado as atividades da comunidade Nossa Senhora das Dores, com realizações de celebrações nas casas das pessoas da comunidade, ocorrendo em seguida aquisição do terreno para construção da capela Nossa Senhora das Dores fato considerado como graça concedida aos membros da Paróquia São Cristóvão. Ainda neste ano de 2006 a paróquia São Cristóvão foi abençoada com a formação de novos Ministros da Palavra, ampliando a Celebração da Palavra em nossa Comunidade.

No ano de 2007 foi realizada a 1ª festa da Padroeira da Comunidade Nossa Senhora das Dores evento iniciado com a novena nas residências dos paroquianos em seguida realização da Procissão e Missa Campal, celebrada por Dom Moacyr e concelebrada pelo Pe. Antônio Fontenele de Melo. Em seguida o Arraial de Nossa Senhora das Dores.

No ano de 2018 iniciou a construção da Capela da Comunidade Nossa Senhora das Dores.

No ano de 2009 foi a benção da Igreja Nossa Senhora das Dores, no dia 15 de setembro pelas mãos de Dom Moacyr Grechi, após três anos de esforços, os agentes de pastorais, paroquianos e colaboradores receberam uma igreja bonita e acolhedora. E finalmente neste ano a quadra Paroquial é entregue a comunidade, a quadra visa atender os eventos paroquiais e as práticas esportivas, uma quadra coberta que atenderá uma capacidade média de 2.000 pessoas, sendo 800 pessoas sentadas e 1.200 em pé.